PRAIA DO FUTURO

Coletivo Madeirista

A ARTE É REDONDA

Laura do Lago

ANDROID 1.1

Natacha Miranda/ Pele e Muro  (MS)

ARVORES DAS IDEIAS E DOS...

Fernanda Bocony

BRASILIANIMADA

Caó Cruz Alves

Luz de Pandora

Cynthia Domenico

ECO DE VÍDEO

FRAMING BODY

 

INTO THE V01D

Francisco Barreto

ITAMARATY CAIXINHAS DE JÓIAS

Débora Ikeda

MEYERGRIDS.MOV

Jorge Mendes

PARA ASSISTIR ÁRVORES

Janaína Moraes e Fany Magalhães

POR DENTRO DO MUSEU

Felipe Castro Praude

Vj Kauê Lima

Vj Eletroiman

TECHNOKUNHÃ

WE ARE NATURE

PRAIA DO FUTURO

Coletivo Madeirista

 

Sonhos escritos na areia e apagados pelo vaivém das ondas na praia.O tempo arma a tempestade que anuncia um futuro distópico:  metáfora para os novos tempos, ou de um passado que se anuncia no presente? 

*Filmado com celular, na Praia do Futuro/CE.


 

 

O Coletivo Madeirista é um grupo multidisciplinar de artistas trabalham na produção e discussão de arte contemporânea, com obras na área de literatura, net art, poesia visual, fotografia, performance, intervenções urbanas e videoarte. Todos os artistas participantes vivem e trabalham em Porto Velho, Rondônia, sul da Amazônia, periferia do Brasil.

 

A TERRA É REDONDA

Laura do Lago

 

Sátira como um recado ao terraplanista que ocupa a presidência do Brasil. O formato do edifício de Niemayer que é inspirado nas formas femininas, no redondo, é ponto de partida para a ocupação do corpo performático e sua intimidade nessa arquitetura de grande porte.

 

 

Laura do Lago aka Lagolagoa é VJ, arquiteta, artista visual, cartunista e performer.

Corpo, cura e respeito são as palavras que guiam seu trabalho. A partir disso, possui alguns eixos temáticos, que quase sempre contam com a interferência do seu própio corpo. Possui uma linha de pesquisa sobre corpo, território e feminino, onde se exploram paisagens do corpo natural, pinturas de sangue de menstruação e performance como um ritual. Esse ritual é um momento do despertar da voz feminina de cada um que convida a todos a um mergulho em águas profundas da nossas emoções e revelar nosso potencial. 

Explora a temática do Afrofuturismo junto a uma luta de Revolução da Flores que vem de seus estudos de budismo. Esse tema é aplicado nos visuais para a banda Liniker e os Caramelows, que se mostra forte na luta pelo reconhecimento da transexualidade no Brasil e da defesa de direitos humanos.

 

Androide 1.1

Natacha Miranda (Pele e Muro) - (MS)

 

Uma narrativa para causar reflexão sobre o tema proposto: cidades inteligentes. Somos mesmo capazes de criar cidades inteligentes? A história da humanidade só prova ao contrário, pois a base de todo o conceito ou boa intenção que as obras pretendem fazer, a ganância e a fome por poder e lucro a todo custo mata as boas ideias para o benefício de todos.

 

Formada em Tecnologia de Desenvolvimento de Sistemas Web  na Universidade Católica Dom Bosco - UCDB e em Arquitetura e Urbanismo na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS é sócia fundadora do estúdio de arte Pele e Muro (tatuagem e grafite) junto com a Sol Ztt (arquiteta e tatuadora). Animadora gráfica e atuante do grupo de pesquisa algo+ritmo da UFMS. Trabalha profissionalmente com grafite e murais há 5 anos.

ARVORES DAS IDEIAS DOS DESEJOS E DA CIDADE

Fernanda Bocony

 

Esta instalação interativa é fruto de pesquisa de Doutorado inspirada no ingresso de Brasília na Rede de Cidade Criativas da Unesco, na categoria Design, em 2017. Esta chancela requer conhecer os ativos culturais e criativos que existem na Capital para melhor assumirmos nosso papel nesta Rede. O design da Árvore, de contornos femininos, aproveita 100% da placa de MDF e recorre aos ipês coloridos para expressar a diversidade cultural no Distrito Federal. O conceito da Árvore utiliza metodologia de Design Thinking, Árvore dos Desejos, para colher contribuições e sugestões de todo o DF para nossa cidade criativa. Para alcançar escala e abrangência na pesquisa, e incluir toda a população do DF, o tradicional post it é substituído por formulário do Google, acessíveis pelos QRCodes.

 

Fernanda Bocorny Messias trabalhou iniciativa privada - IBM Brasil (1990-1997) -, governo - coordenou o Programa Brasileiro do Design e foi conselheira do CONAMA e outros fóruns nacionais (2001-2012) - e retornou a academia desde 2015. É Arquiteta (FAU-UnB), com MBA em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (UGF/2013) - design para a sustentabilidade; Mestre em Desenvolvimento Sustentável (CDS-UnB) - relação da Economia Criativa com a Sustentabilidade; e Doutoranda em Arquitetura e Urbanismo (FAU-UnB) - cidades criativas. Coordenou o estudo Diagnóstico do Design no DF (IBICT, 2018), atua como professora, curadora de eventos criativos e consultora em políticas públicas, com ênfase na indústria, design, sustentabilidade e cultura. 

BRASILIANIMADA

Caó Cruz Alvez

Vídeo mapping animado pelo cartunista baiano Caó Cruz Alves, inspirado nos croquis para a construção de Brasília, criados por Oscar Niemayer.

 

 

Cartunista, Animador, Ilustrador e baiano, formou-se em cinema de animação no Brasil e na França. É autor de curtas premiados no Brasil e exterior. e de livros de caroons e ilustrações. Realizou vinhetas animadas e dirigiu programas e séries para a TVE-BA.

ECO DE VÍDEO

Luz de Pandora

 

Eco de Vídeo é um processo de criação de vídeo na qual se filma a própria saída do vídeo. É uma produção que o próprio hardware interpreta o conteúdo e cria um novo no frame seguinte. Muitos pesquisas sobre o que é a consciência interpreta que esse processo de retroanálise sobre si mesmo é o que torna o indivíduo consciente podendo, dessa forma afirma que o sistema montado para a produção de conteúdo possui uma consciência própria.

 

 

Luz de Pandora é um projeto dos VJ’s Luis Felipe e Pedro Brandão, uma parceria iniciada em 2016. Juntos possuem mais de 8 anos de experiência com projeção em casas noturnas, instalações de arte, espetáculos teatrais, apresentações de bandas e eventos corporativos.

 
CONTATO

Realização:

Beco da Coruja Produções

+55 (61) 3522-9720/ +55 (61) 98147-1265

MXR Arte e Tecnologia

+55 (11) 3039-8329

Assessoria de Imprensa:

Tato Comunicação

+55 (61) 3263-8916

Jaqueline Dias +55 (61) 99988-9618

Cíntia Rogner +55 (61) 99213-9013

 

Doizum Comunicações

+ 55 (31) 3889-0364

Rodrigo Valente +55 (31) 99748-0364

fe68c1189d.png

FRAMING BODY

Cynthia Domenico

“Framing Body, todo mundo sabe dançar!” é uma obra da artista multimídia Cynthia Domenico. A obra interativa convida o público a participar da criação coletiva de uma videodança, que é projetada em tempo real. Framing body reúne três elementos: instalação interativa, performance do público e trabalho em vídeo. A temática da obra é a videodança, novo gênero de caráter intermidiático, no qual a dança, além de ser um elemento central, afeta e é afetada pela cinematografia, uma vez que o frame torna-se o novo espaço através do qual a coreografia é observada.

Performer e videodancer. Em 2010 ganhou o Prêmio Mostra de Artistas no Exterior da Fundação Bienal de São Paulo. Desde 2007 pesquisa a transmidialidade na dança e cria coreografias por meio de diferentes suportes. A artista encontrou, nos espaços publicos dos centros urbanos, o espaço expositivo e o público para suas obras. Desde 2011 vem ministrando oficinas de videodança no Brasil e no exterior. Em 2017 ganhou uma bolsa para participar do do LAB-VD Laboratório de Desenvolvimento de Projetos em Videodança do Festival Videodanzaba em Buenos Aires. 

INTO THE V01D

Francisco Barreto

Into the v01d é uma projeção mapeada interativa que utiliza a linguagem da gamearte qa fim de questionar, de forma lúdica, a maneira como lidamos com o universo de informações e dados no qual estamos constantemente imersos. Durante a interação, o jogador é convidado a tentar capturar círculos brancos, concatenando assim uma série de formas geométricas. A partir da interação do jogador dentro do game a trilha sonora vai sendo composta. Através desse processo inicia-se uma viagem onde através da ilusão de movimento onde entramos cada vez mais em um buraco virtual vazio. 

Francisco Barretto é artista computacional, bacharel em Ciências da Computação (2009), Mestre (2011) e Doutor em Arte e Tecnologia pelo PPG-Arte (2016): Programa de Pós Graduação em Artes pela Universidade de Brasília. Fundador do coletivo LATE! (Laboratório de Arte e Tecnologia). Atualmente é professor adjunto do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências da Universidade Federal da Bahia onde coordena os laboratórios ICON (Laboratório de Pesquisa e Inovação em Interatividade, Computação e Novas Interfaces) e IHACLab-i (Laboratório de Pesquisa, Criação e Inovação). Além disso é realizador do IMMERSPHERE (Festival Internacional de Fulldome)